Blog da Coroa

O outro lado do Cara!

Meu Deus! Jardineiro fiel e o racismo por omissão

Rachel Weisz e Ralph Fiennes - Ela estava certa!

No clássico filme O Jardineiro Fiel, Tessa investigava uma conspiração internacional de empresas farmacêuticas e governos para testarem medicamentos em seres humanos na África. Foi assassinada.

Agora, um estudo financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates (americanos) concluiu que os antirretrovirais diminuem em 92% a chance de contágio dos parceiros sexuais dos medicados.

Veja como a Globo anunciou o resultado:

Coquetel anti-HIV reduz em 92% transmissão do vírus, diz estudo

Foram testados 3.381 casais em que um parceiro tinha o vírus e outro não.

Até aí, tudo bem. Mas o estarrecedor é o que consta no texto da matéria:

Drogas antirretrovirais foram dadas a 349 indivíduos infectados. Os outros que possuíam o vírus receberam um placebo.

Meu Deus! Isso é um absurdo! Como permitir um crime humanitário como esse?

Veja só o resultado desse crime:

Apenas um
Após 24 meses, 103 pessoas que estavam livres do HIV no início do experimento foram infectadas pelos seus parceiros.

Mas apenas uma dessas 103 transmissões foi causada por um parceiro que estava tomando antirretrovirais.

Ou seja, os outros 102 foram contaminados por seus parceiros nao receberem tratamento!

E, se meus cálculos estão certos, mais de 3.000 pessoas ficaram sem tratamento:

Em estudo publicado pelo jornal britânico “The Lancet”, médicos recrutaram 3.381 casais heterossexuais em sete países africanos. Cada casal era “sorodiscordante”, ou seja, com uma pessoa infectada com HIV e outra sem o vírus.

Drogas antirretrovirais foram dadas a 349 indivíduos infectados. Os outros que possuíam o vírus receberam um placebo.

Apesar de não ser pior do que a própria pesquisa, a onda de indignação que tomou conta de nossa imprensa no ato foi exemplar: exemplo de como manter um silêncio sepulcral!

Veja os links sobre a matéria. Em nenhum deles há qualquer questionamento ou crítica sobre a ética do estudo:

G1 – Coquetel anti-HIV reduz em 92% transmissão do vírus, diz estudo

Estadão – Tratamento com remédios retrovirais reduz em 92% a transmissão do HIV

Abril – Remédios contra aids cortam transmissão do HIV em 92%, diz estudo

Correio Braziliense – Medicamentos barram transmissão do HIV

Um absurdo! A nossa imprensa não pensa? Ou só reverbera o que se escreve lá fora? Será que ninguém, nenhum repórter, jornalista, editor, revisor etc, ninguém achou isso um crime?

Mas esse silêncio seletivo tem duas simplres razões: para nossa imprensa, os EUA podem fazer o que quiserem e africano não é gente, por isso não merecem qualquer consideração sobre direitos humanos. Aliás, na verdade, só um desses motivos já basta para ela, pois o esquecimento quase imediato do Caso Tuskgee é bem didático.

Para chegar a essa conclusão basta ler um trecho da matéria do Estadão:

No estudo, pesquisadores norte-americanos, comandados pela Dra. Deborah Donell, avaliaram durante 24 meses um total de 3.381 casais de sete países africanos

Meu Deus! Ninguém irá falar nada sobre isso?

Esse é o líder intelectual de nossa imprensa racista

Anúncios

maio 28, 2010 Posted by | Economia | , , , , | Deixe um comentário