Blog da Coroa

O outro lado do Cara!

Resultado do modelo demotucano de gestão de obras no DF

Do site do Bom Dia DF: TCDF investiga construção da nova Feira da Torre

Albert Steinberger / Emerson Soares / Marcos Silva

Prometida para começar a funcionar no fim de novembro, a nova Feira da Torre segue fechada. O projeto previa uma integração entre a Torre de TV e o complexo da Funarte. No espaço haveria oficinas, anfiteatro e Centro de Atendimento ao Turista. A segurança seria garantida com postos para polícia, bombeiros e câmeras de vigilância – tudo arborizado.

Mas, na prática, o que ficou pronto foi muito menos. A área construída é menor e sem a infraestrutura prometida. Segundo os feirantes, os boxes foram feitos com o mesmo desenho, mas com material inferior. De acordo com arquitetos do GDF, o projeto foi reduzido para se adaptar à área disponível.

O novo espaço conta com cerca de 600 boxes. No projeto original, eram prometidas rampas, escadas e até mesmo elevadores para ligar a Torre de TV à nova feira. Mas, por enquanto, o único acesso é por uma escadinha.

“Este é o local onde a gente ganha o nosso pão. A gente queria ir para uma feira renovada, queríamos ir para aquilo que foi negociado. A gente tem medo que as vendas caiam muito, já que vamos ficar isolados do monumento”, fala a artesã Lira Antônia Coimbra.

A obra que deveria custar R$ 15 milhões saiu por R$ 18 milhões, mesmo diante de todas as alterações e promessas não cumpridas.

“A gente não quer mudar para aquilo que não foi acordado. A posição da Associação dos Feirantes da Torre é não descer para um local que não está digno dos artesãos nem da população de Brasília”, afirma Alex Moraes, vice-presidente da associação.

Os feirantes levaram o problema para o Ministério Público de Contas, que considerou as denúncias gravíssimas. A procuradora-geral Márcia Farias chegou a pedir a suspensão do recebimento da obra. De acordo com a ação, se os feirantes fossem transferidos e o espaço inaugurado, o suposto prejuízo se tornaria irreversível.

O Tribunal de Contas negou o pedido, mas solicitou uma inspeção sobre as mudanças no projeto e no preço. O TCDF investiga o caso sob sigilo. “O que foi prometido não foi feito. Fizeram a feira de qualquer jeito para os artesãos descerem. Esse é o problema”, avalia o artesão Juscelino Nascimento de Oliveira.

A Coordenadoria de Cidades do GDF já fez o cadastro dos cerca de 500 feirantes antigos e aguarda um parecer da Corregedoria para definir quantos novos boxes irão sobrar. Depois, será aberta uma licitação para escolher novos feirantes. Para fazer a inauguração, também faltam adaptações na rede elétrica.

Apesar de vários pedidos de explicações, a assessoria da Novacap não respondeu por que o valor da obra aumentou enquanto a construção diminuiu.

Anúncios

novembro 30, 2010 Posted by | Economia, Infraestrutura | , , , , | Deixe um comentário

Câmara Legislativa do DF faz jus ao apelido de Casa do Espanto

A nova sede da casa do espanto

Do Jornal de Brasília: CLDF arquiva processos contra os cinco distritais envolvidos na Caixa de Pandora

Depois de mais de três horas de discussões e de duas suspensões da reunião, a Comissão de Defesa dos Direitos Humanos, Ética e Decoro Parlamentar decidiu, por três votos favoráveis, um contrário e uma declaração de impedimento, aprovar hoje (26) o arquivamento dos processos contra os cinco deputados cujos nomes foram citados em gravações da Operação Caixa de Pandora, deflagrada pela Polícia Federal (PF) em novembro do ano passado.

Para chegar a essa decisão, os deputados tiveram de anular a votação realizada em 24 de junho passado por eles próprios, que determinava o sorteio dos relatores para cada um dos processos contra os deputados Benedito Domingos (PP), Benício Tavares (PMDB), Rôney Nemer (PMDB), Aylton Gomes (PMN) e Rogério Ulysses (PRTB).

Os cinco membros da comissão presentes à reunião – Agnaldo de Jesus (PRB), presidente, Erika Kokay (PT), Raimundo Ribeiro (PSDB), Paulo Roriz (DEM) e Batista das Cooperativas (PRP) – tiveram divergências sobre o que fazer em relação aos processos, considerando que não há mais tempo hábil para a realização do trabalho, uma vez que faltam menos de 15 dias para o encerramento da sessão legislativa.

Para a deputada Erika Kokay (PT), os processos deveriam continuar, com o sorteio dos relatores. O deputado Batista das Cooperativas (PRP) manifestou-se favorável ao arquivamento, considerando que o relatório da PF não indiciou nenhum dos parlamentares que tiveram seus nomes citados. Além disso, todos eles, à exceção de Rogério Ulysses – impedido de concorrer por ter sido expulso do partido (PSB) -, “foram inocentados pelos eleitores do grande tribunal das urnas”.

O mesmo argumento foi usado pelo deputado Paulo Roriz (DEM), lembrando que o indiciamento da Polícia Federal recaiu sobre sete pessoas, não estando entre essas nenhum parlamentar. A deputada Erika Kokay (PT) rebateu, esclarecendo que o relatório apresentado pela PF em agosto passado, indicou a existência de “sólidas comprovações da prática de corrupção passiva”.

Votaram favoravelmente ao arquivamento dos processos os deputados Agnaldo de Jesus (PRB), Batista das Cooperativas (PRP) e Paulo Roriz (DEM); Raimundo Ribeiro (PSDB) declarou-se impedido, por já ter emitido juízo de valor sobre as questões, ao tempo em que era corregedor ad hoc da Casa, e Erika Kokay (PT) votou contra.

novembro 27, 2010 Posted by | Política | , , , , | 6 Comentários

Caixa de Pandora continua fazendo estragos

Do Correio Braziliense: Bandarra e Guerner são denunciados por suposto esquema de corrupção

Ana Maria Campos e Leilane Menezes

O inferno astral do ex-procurador-geral de Justiça do Distrito Federal Leonardo Bandarra e da promotora Deborah Guerner ficou pior na véspera do aniversário de um ano da Operação Caixa de Pandora. No fim da tarde de ontem, o procurador regional da República Ronaldo Albo protocolou no Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região denúncia contra os dois integrantes do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) por envolvimento em corrupção. Eles são citados como parte do esquema denunciado pelo ex-secretário de Relações Institucionais do DF Durval Barbosa nas investigações da operação que completa um ano no próximo dia 27.

O processo permanecerá sob a relatoria do desembargador federal Antônio de Souza Prudente, que autorizou em junho busca e apreensão na casa de Deborah Guerner, no Lago Sul. Na ocasião, o Ministério Público Federal conseguiu evidências que fortalecem a suspeita de existência de parceria entre a promotora e Bandarra para usar os respectivos cargos em troca de vantagens financeiras. Durante a busca, a Polícia Federal (PF) e o Ministério Público recolheram gravações feitas pela própria Deborah, com câmeras externas e internas instaladas na casa da promotora, documentos e dinheiro escondidos num bunker no jardim. Numa das imagens, Bandarra chega de moto, entra e sai de capacete na residência da colega de trabalho. Todos os dados são mantidos sob sigilo.

Esta não deverá ser a única denúncia a ser protocolada contra o ex-chefe do Ministério Público do DF. É possível que o procurador Ronaldo Albo, num trabalho em parceria com o também procurador regional da República Alexandre Espinosa, ajuíze outras ações penais. Procurado ontem pelo Correio, Leonardo Bandarra disse que não poderia falar sobre o assunto porque não foi citado e não conhece o teor da denúncia. Em todas as instâncias em que se defende, o ex-procurador-geral de Justiça — que agora atua numa das promotorias criminais — sustenta ser vítima de uma armação de Durval Barbosa, em decorrência das ações ajuizadas contra ele pelo Ministério Público do DF.

Durval afirma que Bandarra se beneficiou do cargo para favorecer empresas de coleta de lixo durante a gestão de José Roberto Arruda. O ex-governador do DEM, em depoimento, contou ter conhecimento de que o esquema começou ainda na gestão de Joaquim Roriz (PSC). As acusações são investigadas também no Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), onde tramita processo administrativo disciplinar contra os dois promotores, investigação que pode resultar na aposentadoria compulsória, caso se chegue à conclusão de que eles cometeram desvio de conduta. Em depoimento prestado a Ronaldo Albo, Arruda afirmou ser vítima de extorsão por parte de Deborah Guerner. Segundo ele, a promotora pediu dinheiro para não divulgar o vídeo em que o então governador aparece recebendo dinheiro das mãos de Durval.

Na manhã de ontem, Arruda, uma das principais testemunhas do caso, ficou cara a cara com seu algoz, Durval Barbosa, denunciante do esquema de corrupção revelado na Operação Caixa de Pandora. O CNMP intimou os dois a participarem de acareação para confirmar informações sob investigação no processo administrativo disciplinar. Arruda também esteve de frente com o jornalista Edson Sombra, pivô de sua prisão em fevereiro, por conta de uma suposta proposta oferecida a ele para que alterasse provas do Inquérito nº 650, em curso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), sobre denúncias de pagamento de mesada a deputados distritais e secretários de governo.

Durval e Sombra confirmaram à comissão de promotores responsável pelo processo administrativo todas as denúncias feitas em depoimentos anteriores. A diferença é que, desta vez, eles estavam na frente de Arruda. Sombra voltou a dizer que ouviu do ex-governador, na biblioteca da Residência Oficial de Águas Claras, que ele pagava mesada de R$ 150 mil a Bandarra em troca de interferência em investigações e vazamento de informações sobre o trabalho de promotores de Justiça. O clima foi de constrangimento. Arruda não trocou nenhuma palavra com os inimigos, mas olhou fixamente para eles. Depois de sair do CNMP, o ex-governador embarcou num voo da Delta Airlines com a mulher, Flávia, e a filha caçula, Maria Luísa, para Nova York.

Roriz falta

Roriz também foi intimado a prestar depoimento no CNMP, mas não apareceu. O advogado dele, José Milton Ferreira, esteve no conselho e justificou a ausência. “Ele não está na cidade. Mas assim que retornar, estará à disposição para prestar depoimento como testemunha”, disse Ferreira.

O policial Dante Maciel, aliado de Durval, também foi chamado ao CNMP ontem. Ele voltou a dizer que esteve numa reunião em que Arruda falou ao advogado Aristides Junqueira, ex-procurador-geral da República, que pagava mesada a Bandarra. Na tarde de ontem, dois promotores do MPDFT também prestaram depoimento, Jairo Bisol, oposição a Bandarra, e Mauro Faria de Lima, responsável pela denúncia sobre superfaturamento na manutenção de carros da Polícia Militar, em maio do ano passado, que levou ao afastamento do então comandante da corporação, coronel Antônio Cerqueira. “Os promotores investigados (Bandarra e Deborah) tentaram interferir nesse processo, em favor do governo Arruda, que não queria a divulgação das irregularidades. Reafirmei isso no meu depoimento”, informou Lima.

Entenda o caso

Os promotores de Justiça Leonardo Bandarra e Deborah Guerner são alvos de dois procedimentos, um na esfera criminal e outra na área administrativa. Na Procuradoria Regional da República da 1ª Região, tramita o inquérito que apura prática de corrupção passiva e de vazamento de informações. O caso está sob a responsabilidade do procurador regional da República Ronaldo Albo que apresenta as ações contra os dois na Corte Especial do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, foro para processos penais contra promotores de Justiça. Caso sejam condenados, podem pegar penas de detenção.

No Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), uma comissão de promotores é encarregada de processo administrativo disciplinar contra os dois. Nesse caso, está em jogo a conduta funcional dos promotores, ou seja, a atuação no exercício da função. Se os conselheiros do CNMP entenderem que eles descumpriram deveres ou extrapolaram suas atribuições, haverá a aplicação de uma pena de aposentadoria compulsória. Em caso de condenação na esfera criminal, Bandarra e Deborah Guerner poderão perder os cargos.

novembro 5, 2010 Posted by | Política | , , , | 6 Comentários

Reinaldo Azevedo, o canalha que ainda defende a ditadura de 64!

O Reinaldo Azevedo mostrou esses dias que a ditadura de 64 realmente deveria ter acontecido. Veja como:

FHC diz que não pode comentar opiniões de Dilma porque ex-ministra “não fala”

Gilberto Freyre reacionário? Não creio! Nem na teoria nem na prática. Apoiou, sim, o regime militar de 64, como, diga-se, o fez muita gente. O ambiente político, intelectual e ideológico daquele período ainda precisa ser devidamente reconstruído, sem paixões. Que João Goulart havia instalado o baguncismo no governo é fora de dúvida. Que as esquerdas ameaçavam botar fogo no circo, e pouco importa saber se tinham condições para isso — a propósito: não tinham, como ficou provado —, também é inegável. FHC e todos os que viveram aqueles tempos sabem (eu era bebê…) que havia o temor de que o próprio Jango desse um golpe; muita gente boa apostava nisso e temia uma ditadura unipessoal.

Quem tinha esse temor? A Regina Duarte? Aí ela conversou com a Maitê Proença e combinaram uma revolução dos “machos selvagens”?

Claro que não espanta ninguém o apreço de Retardado Azevedo pela ditadura, mesmo por que ele é fã confesso de gente da mais alta estirpe democrática, como Carlos Lacerda…

Espantado? Não fique:

AINDA CARLOS LACERDA E AS CULPAS

Escrevi ontem, contestando um texto de Elio Gaspari, que o problema de Carlos Lacerda não era a bandeira da moralidade ou a denúncia da roubalheira. O problema de Carlos Lacerda era o golpismo. Escrevi e sustento. Ainda que o considere uma personagem admirável, dono de uma retórica e de um texto primorosos, o fato é que jamais endossaria seu jeito de fazer política. Teria comungado de muitos de seus valores se tivesse sido um seu contemporâneo. Mas não fui.  Tinha 15 anos quando ele morreu., em 1977. Lembro de ter ouvido a notícia no rádio do ônibus. Já tinha sido treinado para odiá-lo, o “grande culpado civil” pelo “golpe de 1964″. Descobri a personagem fascinante, que errava e acertava sempre em grandes proporções, um pouco mais tarde. Adiante.

Quanto a João Goulart, parece piada afirmar que Lacerda pudesse carregar nos ombros a sua deposição. Quem depôs Goulart foi… Goulart quando decidiu levar o baguncismo para dentro do governo. Foi ele que conduziu a política ou para um autogolpe ou para um golpe de estado. Deu golpe de estado.  Entre as duas opções, não me peçam para escolher…

Claro que sabemos a escolha do safado. Fica até bem claro o que ele quer no final do post, ao afirmar pela trocentésima nonagésima vintegentrintésima vez que o Lula e o PT são antidemocráticos:

Essa ladainha de que os derrotados de 1964 foram vítimas de uma terrível conspiração porque queriam democracia e foram esmagados por gorilas de direita  — ou mesmo por um príncipe, como Lacerda, convertido em “Corvo” —, serve para endossar tentações antidemocráticas ainda hoje.

Esses dias mesmo ele voltou com a ladainha do desrespeito aos direitos fundamentais no caso da Previ. Sim, aquele caso de um cara falando que ele mesmo fazia dossiês contra inimigos políticos. Claro que ninguém nunca viu um desses dossiês, a não ser algum repórter da Folha que também achou a ficha falsa da Dilma e os dólares cubanos em garrafas de uísque. Mas voltemos ao Reinaldo. Vejam a última safadeza do Shylock, nosso defensor da legislação constitucional:

ESCÂNDALDO DA PREVI – É ainda mais grave do que o do mensalão. Ou: Os donos do poder

O caso do bunker montado na Previ para fazer “dossiês com conteúdo ofensivo para atingir e desmoralizar adversários políticos” de Lula e do PT (as palavras entre aspas e em vermelho são de Gerado Santiago, um dos que faziam o papelório) é, entendo, a denúncia mais grave surgida contra este governo — mais grave, se quiserem saber, do que o mensalão. Explico-me.

Aquele caso, evidentemente, é escandaloso. Potencialmente, desmoralizava a democracia à medida que buscava criar uma espécie de “Congresso do B”, financiando parlamentares com dinheiro de propina para que fizessem a vontade do governo. Ficou caracterizada também uma espécie de “compra” de partidos políticos, com porteira fechada e tudo. Consolidada a prática, a democracia, obviamente, sairia enfraquecida porque um dos Poderes da República estaria não sob influência, mas sob gerência dos porões do Executivo.

Assim, não se duvide: tratou-se de um atentado à democracia.

O bunker montado na Previ atenta diretamente contra os direitos fundamentais e políticos garantidos pela Constituição Brasileira. Estamos falando da Hidra de Lerna do Estado totalitário mostrando as suas muitas cabeças.  Não está mais no ovo. Já nasceu. Já veio à luz. Está presente — revela-o, na prática, Gerardo Santiago, que foi seu funcionário — em várias instâncias do Estado ou em entes para-estatais, como é o caso dos fundos de pensão. Pessoas estão lá organizadas não para cuidar do fundo, de suas necessidades etc, mas para atuar como uma espécie de polícia política do PT e do governo. Ninguém está fora de seu radar.

Tocado pela comovente defesa de minhas liberdades, resolvi pesquisar quantos “atentados à democracia” o nosso Iago que é fã de Polônio (sim, ele é fã do fofoqueiro que bisbilhotava a rainha falando com seu filho) denunciou em seus 4 anos de Veja. O resultado é IMPRESSIONANTE:

http://www.google.com.br/search?q=”atentado+à+democracia”+site:veja.abril.com.br/blog/reinaldo/&hl=pt-BR&lr=&as_qdr=all&ei=w_lhTOPpEouzuAeWssn7CA&start=0&sa=N

São 56 resultados! Claro que quase todos se referem a comentários dos seus leitores, mas isso já mostra bem como seus pupilos foram adestrados com bastante eficácia.

Concluindo: ele cria os motivos do golpe. Falta alguém encampar essas mentiras e partir para a ação. José Serra é o candidato dele. Se para presidente ou para golpista, aí depende do resultado dessa eleição.

agosto 10, 2010 Posted by | Uncategorized | , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

DF pode mais: coronéis da PM de Arruda são réus em ação penal

Do site da UnB: Coronéis da PM respondem por agressões contra estudantes

Silva Filho e Luiz Fonseca são réus em ação penal no TJDFT. Eles comandaram a ação truculenta contra os manifestantes do Fora Arruda

João Campos

Os coronéis da Polícia Militar Jose Belisário de Andrade e Silva Filho e Luiz Henrique Fonseca Teixeira são réus no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT). A dupla responde por cinco agressões durante o protesto Fora Arruda, organizado por estudantes da Universidade de Brasília e outras entidades sociais no Eixo Monumental, em frente ao Palácio do Buriti, no dia 9 de dezembro de 2009. O episódio acabou marcado pela truculência dos PMs diante da manifestação contra a corrupção na capital federal.

A juíza Maria Ivatonia Barbosa dos Santos, da Auditoria Militar do DF, acatou a denúncia do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) em março de 2010. Na última terça-feira, 20 de julho, oitos testemunhas de acusação foram ouvidas pela Justiça. Entre elas, cinco estudantes da UnB. O jurídico da PM deve apresentar a defesa dos representantes da corporação em sessão nas próximas semanas.

O estudante de Ciência Política Raul Cardoso faz parte do grupo que depôs no Fórum Leal Fagundes. Um dos coordenadores do DCE, ele destacou os vídeos que revelam a brutalidade dos policiais na repressão ao movimento. Um deles, feito pela reportagem da UnB Agência, mostra o momento em que o coronel Silva Filho agride o ex-aluno de Biologia da universidade, José Ricardo Padilha. “Ele (Silva Filho) parte para cima do Ricardo e rola no chão trocando murros”, descreve.

Segundo a assistente de acusação do caso, Maíra Cotta, os vídeos gravados e amplamente divulgados em rede nacional são as principais peças para provar os excessos da PM. “Foi uma ação desastrosa. Os manifestantes estavam desarmados e os policiais usaram a cavalaria, bombas e cachorros contra o grupo sem necessidade”, explica a advogada. Três vídeos fazem parte do processo: “Manifestação Buriti”, “Passeata 09/12/09 – Janelas do 8º andar” e “Fotos da Manifestação da janela do PDDC”. Todos entregues à juíza pela acusação.

AGRESSÕES – As agressões registradas na ação penal contra Silva Filho e Fonseca foram documentadas pelos manifestantes com fotos e vídeos. Os ferimentos variam de hematomas e arranhões, passando por marcas de bala de borracha até machucados feitos pelo pisoteio da cavalaria da PM. No entanto, segundo a acusação, o caso mais grave é de José Ricardo, que também depôs na Justiça. “Ele acabou preso e passou três horas no camburão sob intensa tortura psicológica”, afirma a advogada Maíra Cotta.     

Procurada pela reportagem da UnB Agência, a Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) disse, por meio da assessoria de imprensa, que ainda não tinha conhecimento do processo. Também informou que o coronel Silva Filho continua ativo na área administrativa da corporação. Segundo informações do TJDFT, o homem de cabelos grisalhos esteve presente durante os depoimentos da acusação. Já Fonseca, que justificou a ausência na sessão de terça-feira, está licenciado da corporação.  

julho 23, 2010 Posted by | Justiça | , | Deixe um comentário

Eles tentam esconder, mas a blogosfera mostra! Ou: o melhor amigo de Arruda também apóia o vice de Serra!

O Irã faz seus discípulos

O Irã faz seus discípulos

Ufa! Foi difícil, mas eu achei. Veja só:

DEM aprova coligação com PSDB e nome de Indio da Costa para vice

Percebeu? Não? Vou ajudar:

http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/06/foi-surpresa-para-mim-tambem-diz-indio-da-costa-apos-indicacao.html

http://g1.globo.com/especiais/eleicoes-2010/noticia/2010/06/deputado-do-dem-do-rio-sera-o-vice-de-serra-diz-rodrigo-maia.html

http://www1.folha.uol.com.br/poder/759699-em-votacao-relampago-dem-aprova-em-convencao-novo-vice-de-serra.shtml

http://fotografia.folha.com.br/galerias/204-a-escolha-do-vice-de-serra#foto-4613

Ainda não entendeu? Pois é, isso a tal da desinformação a serviço do poder reacionário. Eu procurei em um zilhão de lugares e nada de achar uma foto que fosse maior. Mas vamos à explicação.

Voltemos ao primeiro link. Veja só a foto novamente:

Convenção do DEM

Escolha do vice do José Serra

Olhe agora a mesma foto com ênfase no que importa:

Que cabeça!

Que cabeça!

Essa pessoa se chama Alberto Fraga. Ele é deputado federal pelo DEM/DF (tinha que ser do DEM…). Até aí tudo bem. Mas ele é, nada mais, nada menos, o maior colaborador do maior ícone do DEM, o nosso queridíssimo ex-governador José Roberto Arruda.

Que serelepe! Todo feliz!

Que serelepe! Todo feliz!

Há até uma bela matéria na Folha de São Paulo sobre ele quando ainda era Secretário de Transportes no governo de Arruda. Aqui vai seu link, bem como um excerto esclarecedor:

Aliado de Arruda, Alberto Fraga diz que vai concorrer ao governo do DF

O deputado federal Alberto Fraga (DEM), um dos mais próximos colaboradores do governador afastado José Roberto Arruda (ex-DEM)…

Desde que Arruda foi preso, há 19 dias, acusado de tentar subornar uma testemunha do escândalo do mensalão do DEM, Fraga já o visitou duas vezes. A Folhaapurou que ontem ele teria um terceiro encontro, mas desistiu após a imprensa divulgar que Arruda tem mandado recados de dentro da prisão a antigos correligionários e citar Fraga como interlocutor dessas ameaças.

Ele também ficou nacionalmente famoso pela contratação de uma empregada domética para sua própria casa que era paga com recursos da Câmara dos Deputados. O mais legal de tudo é o vídeo de suas explicações, ao tentar mostrar que ela, na verdade, trabalhava no gabinete de um outro deputado do DEM. Veja só como foi (a cereja do bolo começa aos 1:50):

Eu transcrevo para vocês a última fala dele, veja que genial:

Alberto Fraga: É uma empregada que presta serviço doméstico. Perdão. Presta serviços externos, né, e… agora, realmente, ficou complicado, né, de explicar.

É isso que o DEM tem a nos oferecer!

Mas voltando ao assunto da omissão, fiquei abismado por precisar procurar em dezenas de links a foto grande do anúncio do vice e não encontrá-la em lugar algum. Apenas aquela que postei aqui, e ainda veio naquele tamanho minúsculo. Essa é a nossa imprensa!

Belas pernas, minha senhora! De quem elas são?

Belas pernas, minha senhora! De quem são elas?

Aliás, como estamos falando de comparações, vai mais uma aí só para lembrar:

Ranking dos pilantras:

1 – DEM – 69
2 – PMDB – 66
3 – PSDB – 58
4 – PP – 26
5 – PTB – 24
6 – PDT – 23
7 – PR – 17
8 – PPS – 14
9 – PT – 10
10 – PV, PHS, Prona, PRP – 1

Eu não achei a quantidade de eleitos por partido, mas fiz um cálculo por filiadosque gerou mais um rankis de pilantras por filiados. Claro que os reaças vencem disparadamente:

julho 1, 2010 Posted by | Uncategorized | , , , , , , , , , , , , | 2 Comentários

Roriz, Abadia e Arruda: prejuízo de R$ 150 milhões ao DF

Do site do Correioweb: CGU conclui relatório sobre recursos ao GDF. Prejuízo chega a R$ 150 milhões

A Controladoria-Geral da União (CGU) concluiu, nesta terça-feira (29/6), o relatório da segunda e última etapa da auditoria realizada nos recursos federais transferidos ao Distrito Federal no período 2006/2009. Na primeira etapa, havia sido detectadas 177 irregularidades (divididas em 12 tipos) nos contratos e convênios do Governo do Distrito Federal com a União. O prejuízo aos cofres públicos, que era de R$ 106 milhões, agora, no fim da segunda etapa, pode chegar a R$ 150 milhões.

Os 12 indícios detectados na primeira etapa, passaram para 17. São eles: acumulação de recursos em conta de fundo a fundo; pagamentos indevidos, convênios e contratos de repasse com objetivo não executado e com recursos disponíveis em conta; sobrepreço ou superfaturamento; não ressarcimento de salários de pessoal cedido; contratação desnecessária; problemas na execução; problema na formalização da contratação; cancelamento e devolução de recursos por inexecução; problemas na comprovação da contrapartida com recursos federais repassados; restrição à competitividade; execução fora da conta vinculada; favorecimento no julgamento de licitações; ausência de detalhamento/falha de BDI; despesas inelegíveis; saldo a devolver não indicado na prestação de contas; problemas diversos na licitação.

Os contratos analisados pelos auditores abrangem período no qual o Distrito Federal teve três governantes. Em 2006, Joaquim Roriz estava no cargo, mas saiu antes do fim do mandato para disputar eleições para o Senado. Maria de Lourdes Abadia assumiu o GDF. Em 1º de janeiro de 2007, José Roberto Arruda tomou posse como governador do DF.

No site da CGU está disponível o Resumo informativo sobre o Relatório de Auditoria nos Recursos Federais Transferidos ao Distrito Federal no período 2006/2009

junho 30, 2010 Posted by | Política | , , | 1 Comentário

Lula deu xeque-mate no PSDB: Osmar Dias é candidato

O PSDB achou que indicando Álvaro Dias para vice de Serra tinha feito uma jogada de mestre. Levou xeque-mate de Lula.

Está na Folha.com: Osmar Dias decide sair candidato ao governo do PR com apoio do PT e PMDB

O senador Osmar Dias (PDT-PR) planeja para hoje o anúncio oficial de que vai disputar o governo do Paraná numa coligação envolvendo o seu partido, o PMDB e PT no Estado.

Osmar Dias reuniu-se a portas fechadas por mais de quatro horas na noite de ontem, em Curitiba, com a cúpula nacional do PDT. Ele admitiu, segundo participantes do encontro, sair candidato após ter garantias de apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao seu nome e de que será “o candidato a governador mais importante” da aliança encabeçada pela candidata petista Dilma Rousseff nas disputas estaduais.

Com isso, consolida-se no Estado um palanque forte para Dilma após mais de seis meses de negociações, marcadas por rompimentos com os petistas locais e por ameaças de apoio ao ex-prefeito de Curitiba Beto Richa (PSDB) na disputa para o governo.

A confirmação de Dias deve acirrar a eleição no Paraná. O Richa e Osmar Dias estão empatados tecnicamente nas pesquisas. O pedetista chegou a receber oferta de candidatura ao Senado em união com o PSDB, mas a cúpula nacional do PDT vetou.

A Folha apurou que na reunião Osmar Dias também aceitou negociar um vice do PMDB. Antes, ele exigia a indicação da petista Gleisi Hoffmann, mulher do ministro Paulo Bernardo (Planejamento).

A formalização da aliança PDT-PT- PMDB precisa ainda do aval do atual governador do Estado, Orlando Pessuti (PMDB), que também estava na disputa pelo governo estadual. Ele já sinalizou oficialmente que pode abrir mão da candidatura.

Sobre a possibilidade do irmão Alvaro Dias, também senador (PSDB-PR), ser indicado como vice do presidenciável tucano José Serra, Osmar Dias argumentou na reunião que como a eleição envolve cargos diferentes, sem existir “disputa direta”, não haverá problemas de relacionamento entre eles. O pedetista usou ainda como argumento o fato de a situação do irmão tucano não estar definida, já que há resistências de aliados do PSDB, como o DEM.

junho 30, 2010 Posted by | Política | , , , , , , , | Deixe um comentário