Blog da Coroa

O outro lado do Cara!

Somente existe liberdade onde as religiões não mandam

Do portal Terra: Bem vindos à República Talibânica do Brasil

Marcelo Carneiro da Cunha

E eu realmente pensava que hoje estaríamos contentes e falando de coisas como a beleza que a humanidade pode ser quando ela resolve superar desafio e salvar vidas, como aconteceu no Chile. Vocês não ficaram emocionados na hora em que a cápsula apareceu na superfície, trazendo o primeiro deles para a liberdade? Eu fiquei, e muito, porque me imaginava naquela mina, preso há dois meses, como eles, sofrendo de coisas como claustrofobia e dor de dente – porque, além de solidário, sou trágico.

Também pensava que hoje poderia falar com vocês para festejarmos juntos a volta por cima daquela pobre menina que nos enfeitiçou na capa da revista Time há uns meses, Bibi Aisha, a jovem afegã que teve o nariz e as orelhas mutilados pelo marido, por ordem do Taliban. Pois não é que ela foi levada para a Califórnia, vai receber cirurgias plásticas e já posou com uma prótese que substitui o nariz para os assuntos mais imediatos, e que a deixa singularmente bela?

Ou seja, nada mais pretendia eu do que celebrar vitórias da humanidade nessa semana que passou. E claro que não deu. E por culpa de quem? Cardeais, padres, bispos e pastores, quem mais. Ô gente que gosta de estragar o que vai bem, caramba!

Estimados leitores, caiu aqui com a Constituição: nós, eu, o senhor aqui ao lado, vocês que tão gentilmente me lêem, vivemos em uma república laica. Sabem o que isso quer dizer? Que somos cidadãos de uma sociedade onde existe a separação entre Estado e igrejas, para sorte de todos.

Somos também cidadãos de uma sociedade onde existe, na Constituição, o direito à liberdade religiosa, e, também, à liberdade da religião. Ou seja, dá bola pras igrejas quem quer. Paga dízimo a elas quem quer. Mantém distância delas quem quer.

Porque somente existe liberdade onde as religiões não mandam, estimados leitores. Se os muçulmanos mandassem no Brasil, a gente não poderia tomar a nossa cervejinha nossa de cada dia, não é mesmo? Alguém aí que não esteja estudando pra aiatolá acha isso uma boa idéia? Se o Bento XVI mandasse no Brasil, não haveria sexo antes do casamento, e nem depois, exceto para a finalidade exclusiva da reprodução. O que você acha disso, estimado leitor? Se os evangélicos mandassem no Brasil, a gente ia ter que pagar 10% pro bispo e achar ótimo. A gente ia ter que ouvir gospel o dia inteiro, já pensaram? Eu não sei exatamente como é o inferno, mas imagino qual seria a trilha sonora. Alguém aí acha isso uma boa idéia?

O fato é que temos o direito de não beber, não fazer sexo e ouvir gospel até cansar, basta querer. Mas podemos não fazer nada disso, se não quisermos, porque vivemos em uma república laica e democrática, e esse é o nosso maior bem. Alguém aí gosta da idéia de perdermos esse nosso grande, enorme e maior direito? Pois estamos diante desse risco, e agradeçam à Marina, por mais esse favor. Porque, se houve uma coisa que não houve foi a tal laudada e inventada Onda Verde. Onda Verde é o que regula o trânsito aqui na Paulista. O que a pastora Marina trouxe para a pauta e para o segundo turno foi a onda do fanatismo religioso, algo de que o Brasil certamente não precisa. Não somos um país de fanáticos, estimados leitores, e isso nos torna um lugar bom para se viver. E é isso que querem mudar.

Igrejas podem existir e vender o que quiserem. Podem dizer que o céu existe e está disponível em suaves prestações mensais. Quem acredita em uma igreja, tem o direito de fazer o que eles mandam e não dar um pio.

Quem não acredita em uma ou outra igreja, tem o direito de não dar a mínima para tudo isso, e está na Constituição. Somos livres para crer e descrer, para seguir normas das igrejas e para ignorá-las.

Você, leitor católico, gostaria de ter evangélicos dizendo a você o que pode e o que não pode? Você, estimado muçulmano, gostaria de ter um católico lhe dizendo o que comer ou não comer? Você, estimado judeu, gostaria de ter um evangélico lhe dizendo o que fazer? Hummmm, não?

Ou seja, somente temos liberdade para sermos religiosos porque existe uma Constituição que protege as religiões uma das outras, e aos demais de todas elas. Esse é o segredo que torna os nossos países melhores e possíveis.

É inaceitável e inconstitucional que essas religiões tentem impor ao país o que desejam. Não gostam de casamento entre gays? Ora, caso sejam gays evangélicos ou católicos, não casem. Não querem que gays adotem crianças? Danem-se. Vocês têm nada a ver com isso. Quem tem a ver com isso são as crianças órfãs e a Justiça, que avalia a quantidade de amor e a capacidade de ajudar uma criança de quem se propõe a adotar. Está na lei. E a lei é de todos e para todos, não para uns. Querem praticar livremente a homofobia? Se quisessem praticar livremente o racismo, a lei deveria permitir?

Essa é uma eleição em uma sociedade laica e livre, e qualquer candidato que se alinhe com o fundamentalismo vai contra os princípios da nossa República. Eu, pelo menos, estou votando para presidente do meu país, não para papa. Vocês gostariam de viver em um país cujos padrões morais e de comportamento fossem estabelecidos pela bispa Sônia, ou pelo Edir Macedo, ou ainda o padre Marcelo? Você gostaria que eles legislassem sobre a sua vida? Então melhor eleger logo a mulher do Roriz para presidente, porque ela parece operar mais ou menos no mesmo patamar que eles, intelectualmente, inclusive.

Se qualquer eleitor aceita a idéia de ter as igrejas nos dizendo o que pensar e fazer na forma da lei, lá se vai a nossa liberdade, a nossa sociedade e o nosso país como nós o conhecemos. Se vocês querem viver em uma república talibânica, vão em frente. Eu, euzinho, prefiro ir morar em uma mina escura e profunda, distante e difícil, mas ao menos um lugar do qual pessoas boas e humanas irão, por todos os meios possíveis, tentar me buscar para a volta ao mundo da luz, e não o contrário.

Anúncios

outubro 15, 2010 Posted by | Eleição | , , , | 2 Comentários

Vox Populi confirma liderança de Dilma

Vice de novo?

Está no blog do Fernando Rodrigues: Vox Populi: Dilma Rousseff (PT) 40% x 35% José Serra (PSDB)

Pesquisa Vox Populi sobre a eleição presidencial indica que Dilma Rousseff (PT) tem 40% das intenções de voto. José Serra (PSDB) tem 35%. Marina Silva (PV), 8%. A sondagem foi feita de 24 a 26.jun.2010 e tem margem de erro de 1,8 ponto percentual.

Pela 1ª vez, Dilma passa a frente de Serra em pesquisa Vox Populi. A última sondagem do instituto (feita de 8 a 13.mai.2010) indicou empate técnico entre os candidatos, por conta da margem de erro – que era de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Em maio, no cenário em que apenas os Dilma, Serra e Marina foram apresentados aos entrevistados , a petista teve 37% (podendo variar de 34,8% a 39,2%, por conta da margem de erro). O tucano teve 34% (variando de 31,8% a 36,2%).

Na semana passada (em 23.jun.2010), o Ibope também divulgou sua 1ª pesquisa em que Dilma ficou à frente de Serra. Por coincidência, o resultado foi 40% contra 35%.

Espontânea

Os resultados acima são da pesquisa estimulada (em que o entrevistador apresenta uma lista com nomes dos candidatos para o entrevistado). A pesquisa Vox Populi divulgada hoje (29.jun.2010) mostra ainda resultados obtidos na modalidade espontânea (em que o eleitor diz qual é seu candidato sem ver nenhuma lista de nomes): Dilma tem 26% e Serra tem 20%.

O Vox Populi entrevistou 3 mil eleitores, de 24 a 26.jun.2010. O registro da pesquisa no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é o 16944/2010.

junho 29, 2010 Posted by | Política | , , , , | Deixe um comentário

Biruta de aeroporto

Dilma Rousseff, ao ser perguntada, após o lançamento de seu site na internet, se o candidato da oposição agia como “lobo em pele de cordeiro” quando ora elogiava, ora criticava Lula, foi enfática: “Está mais para biruta de aeroporto, cada dia de um jeito“. Dilma se referia às críticas feitas por Serra ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) durante reunião com empresários em Minas Gerais.
Dilma parece estar certa sobre o comportamento do tucano. Ontem, Serra disse que o Banco Central não é infalível e que o presidente da República tem, sim, o direito de se posicionar caso o comando do banco cometa “erros calamitosos”. O BC “não é a Santa Sé”, disse, irritado, defendendo o direito de o presidente manifestar sua opinião e negando que isso fira a autonomia do BC.
A pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, rebateu a crítica feita por seu adversário ao Banco Central. Dilma afirmou que o BC teve vários acertos nos últimos anos, em especial na condução da política monetária durante a crise internacional: – Não vou deixar de reconhecer a quantidade de acertos que o BC teve no enfrentamento da crise. Na forma como liberou o crédito, inclusive quanto do financiamento de nossos exportadores, quando o mercado internacional de crédito teve aquele imenso choque.
A pré-candidata do PV à Presidência, senadora Marina Silva, também rebateu a posição de Serra sobre o BC, dizendo que a autonomia da instituição foi um dos motivos pelos quais o Brasil não foi muito atingido pela crise internacional no ano passado, diferentemente de outros países.
Após as críticas recebidas, Serra hoje voltou atrás e defendeu a autonomia do órgão: “O Banco Central tem que ter autonomia para trabalhar, mas tem que estar integrado com a política econômica do governo e com o presidente da República, que é quem indica seu presidente e diretores.”

Aos poucos as diferenças sobre o que pensam os candidatos vão ficando claras. Dilma e Marina defendem a autonomia do Banco Central; Serra defende uma maior intervenção. Para terminar, é importante reproduzir o que escreveu no jornal O Estado de São Paulo, em 30.3.2003, Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central sobre a importância da autonomia:

É sabido que a autonomia do BC é um tema particularmente sensível para os investidores estrangeiros, que prezam muito os avanços institucionais. Os investidores domésticos até podem relevar a inexistência de autonomia formal do BC, em favor de uma autonomia de fato que se evidencie no dia-a-dia da política monetária. Os estrangeiros, contudo, poderão ter uma leitura muito negativa, caso fique patente a dificuldade de o governo encaminhar essa questão na sua base de apoio.”

maio 11, 2010 Posted by | Sem categoria | , , , , , | Deixe um comentário