Blog da Coroa

O outro lado do Cara!

Dossiê – Demóstenes Torres (DEM-GO)

Atiçado pelo último post – de lavra da digníssima deusa da guerra e da sabedoria, Palas Atena, senti um frêmito que me impulsionava para o desferimento de um canhotaço na fixação ligninosa da barraca. Daí para a decisão de fazer um dossiê sobre o nobre senador do DEMo (sempre o DEMo..) passaram-se duas unidades de tempo de Planck.
Pois bem, Demóstenes, hábil orador como poucos na história, instigava seus semelhantes contra o líder inimigo. Sua grandiloquência convencia seus correligionários a acreditar que aquele líder era apenas um inexperiente aventureiro, e que a situação jamais seria abalada por aquele grupelho agitador. Aliás, esse grupinho era tratado por ele com todo tipo de preconceito, tanto pessoal como pelas suas origens, pois nascera em região mais ao norte da pátria, de onde “só podem vir selvagens!”.
No entanto, o inimigo começou a mostrar suas conquistas, e até os aliados do Demóstenes começaram a questioná-lo: “Vossa Excelência o chamava de criança, depois de jovem, agora já o chama de homem! Quando saberemos realmente o que ele é e qual risco nos traz?”.
Mas sua biografia começou a se queimar quando descobriram que ele tratava diretamente com um certo ministro.

Além disso, seus discursos eram lindos, mas mentirosos na prática, pois a realidade era bem diferente do que ele tentava mostrar.

No final, seus discursos foram quase esquecidos pela história, exceto pela técnica de oratória. Isso porque seu inimigo entrou para a história como o maior líder de todos em sua época.

Sim, esse Demóstenes é aquele, como vocês já devem ter percebido, que atacava Alexandre, o Grande. Quase levou Atenas à ruína por isso, e pode ser considerado um dos maiores sediciadores da história mundial.
Claro que Alexandre Magno não era um democrata, e seus métodos eram deploráveis para os dias de hoje, mas que o Demóstenes quase levou seu povo à ruína contando mentiras, isso é fato, antes e agora. Já com Tebas, Demóstenes a levou à total destruição, seus cidadãos vendidos como escravos, a cidade foi totalmente aterrada e sua terra salgada para que nunca mais criasse qualquer tipo de vida.

Já o nosso DEMóstenes é prolífico em soltar baboseiras ao léu. Foi edificante descobrir por ele que as negras africanas sonhavam em vir para o Brasil para fazerem amor tórrido com seus senhores da Casa Grande, mesmo que fosse nas Senzalas, sob o jugo do chicote, após terem sido marcadas a ferro em brasa. Que cenário lúdico! Basta colocar uma ovelha ao lado e temos a definição de bucolismo, da moral pastoril elevada!
Essa fantasia sedutora levou à perdição dezenas de senhores da Casa Grande!

Também revolucionou a história ao atribuir aos próprios negros a escravidão no país, e que isso levou ao seu enriquecimento. Veja só como é linda e rara a vara com que o negro se delicia, prova de que eles obtiveram enriquecimento aviltante e entregaram-se aos luxos:

Deve seu um belo exemplar de jacarandá baiano!

Como a escravidão só trouxe riquezas para os negros, o senador Demóstenes Torres propõe a criação do Bolsa-Sauna para os negros, como já existia nos majestosos cruzeiros da classe Queen Elizabeth que os traziam para o Brasil para que os homens negros enriquecessem e as mulheres seduzissem os senhores de engenho:

Sauna luxuosa dos negros sedutores de senhores de engenho inocentes

Sobre a atualidade, suas conversas ao telefone mostram como ele defende, mesmo que na intimidade de uma conversa intra corporis safadis, o verdadeiro estado de direito, qual seja: um senador pedindo assessoria ao presidente do STF, além de proferir uma frase que, se não fosse o nome do interlocutor, qualquer um adjudicaria a autoria ao banqueiro condenado Daniel Dantas. Veja como foi a conversa republicana:

Daniel Dantas Demóstenes (Torres) Se eu não resolver até amanhã, eu te procuro com uma ação para você analisar. Está bom (a Veja não entendeu que aqui seria uma interrogação)

Gilmar Dantas Mendes – Está bom. Um abraço, e obrigado de novo.”

É isso mesmo, distribuição aleatória de processos é para pobres, pretos e putas. Com o DEM e com Daniel Dantas é direto com o patrão, direto com o dono da chave do cofre.
Minha opinião sobre o grampo: ele pode realmente ter existido, mas seu áudio seria constrangedor, pois mostraria quem fez a interceptação. Como não foi a PF e muito menos a ABIN, acho que isso partiu do próprio Senado.
Mas a doação que recebeu da Linknet é mais difícil de explicar ainda. O DEMóstenes recebeu R$ 58.000,00 reais  dessa empresa, que já é sócia das páginas policiais dos jornais de Brasília desde o escândalo do senador Joaquim Roriz (ótimo exemplo de político!).
Esse é um dos exemplos da direita reacionária no Brasil!

abril 17, 2010 Posted by | Sem categoria | , , , , , , | 2 Comentários

Vamos cantar parabéns para o Arruda

Saiu no blog da Christina Lemos:

Arruda completa hoje dois meses na prisão

O governador cassado do Distrito Federal, José Roberto Arruda, completa hoje dois meses preso em sala especial da Superintendência da Polícia Federal em Brasília, sob a acusação de tentativa de coação de testemunha. Trata-se de prisão preventiva, pedida pelo ministério público federal. E de um record absoluto, em se tratando de político preso em pleno exercício do mandato.
Espera-se que o Superior Tribunal de Justiça julgue o pedido de liberdade do ex-governador nesta segunda-feira. A expectativa é de que ele seja solto.
Daqui há seis dias a Câmara Legislativa elege o governador interino do DF. Dez candidatos se apresentaram, mas os registros ainda não foram aceitos pela Câmara, que analisa a regularidade dos documentos.
Brasília continua no limbo, governada por Wilson Lima. E pode piorar.
Nota do blog

Parece que a festa vai ser bem animada. Vieram todos do DEM para cantar os parabéns: Paulo Octávio, Leonardo Prudente, Rodrigo Maia, ACM Neto, Jorge Bornhausen, Ronaldo Caiado, Marco Maciel, Kátia Abreu, Agripino Maia e Gilberto Kassab.

Vieram todos: só gente boa.

Hoje é dia de apagar as velinhas e comer bolo, quer dizer panetone.

abril 11, 2010 Posted by | Sem categoria | , , , , | Deixe um comentário